14.4.05

Palácio de Crystal




Foi em 1865 que a Associação revelou o seu verdadeiro talento para exposições ao organizar a Exposição Industrial Internacional do Porto e da Península, no recinto de ferro e vidro do Palácio de Cristal, construído especificamente para o efeito. A Exposição Industrial, para além de contar com a visita oficial do rei D. Luís, de Dona Maria Pia e do príncipe herdeiro, contou ainda com 3.139 expositores, dos quais 499 franceses, 265 alemães, 107 ingleses, 89 belgas, 62 brasileiros, 24 espanhóis, 16 dinamarqueses e ainda representantes da Rússia, Holanda, Turquia, Estados Unidos da América e Japão.
O Palácio de Cristal de hoje não tem nada a ver com o edifício original projectado pelo arquitecto inglês, F. W. Shields. Este arquitecto tinha no seu curriculum um palácio semelhante construído em Londres, no reinado da rainha Vitória. Infelizmente, o Palácio de Cristal original foi demolido em 1951.
Nesta data foi construído em seu lugar o Pavilhão de Desporto com projecto de Carlos Loureiro. Posteriormente, foi baptizado como Pavilhão Rosa Mota em homenagem à ilustre atleta portuense.
O Palácio de Cristal original remonta a 1860, quando um grupo de empreendedores conseguiu reunir o capital necessário para a criação de um edifício para organizar exposições agrícolas e industriais. Desta forma foi fundada a Sociedade para a Fundação do Palácio de Cristal portuense, que providenciou o melhor material, nomeadamente granito e ferro, que havia naquela época para a construção. A cúpula do seu salão de exposições era composta de ferro e cristal. Este salão era amplo o suficiente para mais de 10 mil pessoas.
O recinto do Palácio de Cristal conta ainda com um belo e enorme jardim, no estilo romântico, com vistas magníficas para a zona ribeirinha da cidade do Porto. Engloba ainda Quinta Tait e a Quinta da Macieirinha, onde pode-se visitar o Museu Romântico e o Solar do Vinho do Porto. Além da capela de Carlos Alberto, construída em homenagem ao rei de Sardenha e Piemonte, que passou os seus últimos dias na contígua moradia de Entre-Quintas. Não esquecendo ainda a Biblioteca Almeida Garrett.
Este jardim foi desenvolvido segundo a ideia do paisagista alemão Émile David.

4 comentários:

Anónimo disse...

Excelente também, th. Continue a aturar o Werewolf e temos obra. Que nos ajuda a conhecer melhor a cidade escondida e, por vezes, sepultada na sua modernidade. E o homem não pára, é frenético. Tarda nada está aí com mais umas dicas a desafiar-lhe a imaginação e o seu enorme dom de bem contar. E o comboiozinho que o Werewolf punha a trabalhar na Estação de São Bento? Venha ele. Mais uma vez, obrigado pelos textos. Abraço. João Tunes.

Celine Oppps disse...

OS DESCOBRIMENTOS DO HOMEM E DA MULHER

O Homem descobriu as CORES e inventou a PINTURA,
A Mulher descobriu a PINTURA e inventou a MAQUIAGEM.

O Homem descobriu a PALAVRA e inventou a CONVERSA,
A Mulher descobriu a CONVERSA e inventou a FOFOCA.

O Homem descobriu o JOGO e inventou as CARTAS,
A Mulher descobriu as CARTAS e inventou o TAROT.

O Homem descobriu a AGRICULTURA e inventou a COMIDA,
A Mulher descobriu a COMIDA e inventou a DIETA.

O Homem descobriu os SENTIMENTOS e inventou o AMOR,
A Mulher descobriu o AMOR e inventou o CASAMENTO.

O Homem descobriu a MULHER e inventou o SEXO,
A Mulher descobriu o SEXO e inventou a DOR DE CABEÇA.

O Homem descobriu o COMÉRCIO e inventou o DINHEIRO,
A Mulher descobriu o DINHEIRO e aí fudeu tudo ...

Celine Oppps disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
th disse...

O comentário anterior foi removido porque era um duplicado. Aproveito para informar quem está curioso por saber como vão as minhas investigações àcerca do tal comboiozinho, que as deligencias estão a ser feitas mas ainda não obtive resposta. Abraço amigo, th