15.9.05

Uma história de Moçambique


Acabo de ler no Correio da Manhã esta história que me comoveu muito e que gostaria que vcs lessem:

2005-09-11 - 00:00:00

Mascote ilegal Fora da lei

João Sabadino Portugal nasceu em 1962. O dia e o mês ninguém sabe. Nem o nome original. Aos cinco anos roubaram-lhe o colo materno. Dois anos depois veio para Portugal com um grupo de Fuzileiros de quem era mascote. Anos mais tarde descobriu que estava ilegal.

MOÇAMBIQUE, JUNHO DE 1967

Um Destacamento de Fuzileiros Especiais portugueses veste o camuflado e arranca para a primeira operação na zona de Mocimboa da Praia, Cabo Delgado. Devidamente artilhados, os soldados entranham-se mato adentro à procura de presença inimiga. Alguns passos adiante deparam-se com um grupo de mulheres indígenas. Seguem-lhes o rasto, discretamente, até à aldeia mais próxima. Logo que se apercebem da chegada de militares, os locais começam a fugir, apavorados. Procuram por um abrigo, arranjam uma forma de escapar à chacina. Enquanto isso, um dos fuzileiros tenta impedir a sua fuga com disparos contínuos e ensurdecedores de metralhadora. Findo o carregador faz-se silêncio, e um manto de capim ruma ao céu, deixando a descoberto uma aldeia sem vivalma. Deserta. Por instantes, pensou-se que todos estivessem mortos. Puro engano. Um buraco estrategicamente cavado na terra serviu-lhes de escudo. Escapam à morte, mas não de serem capturados e, posteriormente, entregues ao cuidado dos serviços competentes, em Porto Amélia (Pemba). Durante o regresso, os militares aproveitam uma curta paragem para se refrescarem no mar. Os indígenas, que nunca tinham vislumbrado tamanha imensidão de água ficam perplexos. Eufóricos. Durante breves momentos a aflição cede lugar à descompressão. A uma felicidade que parece não ter fim. O brilho espelhado no olhar de uma das crianças, que corre despreocupadamente pelo areal, desperta a atenção do grupo de fuzileiros. E como naquela época era comum os Destacamentos terem uma mascote, um dos militares , por impulso, coloca a hipótese de o adoptar. Assim foi.

( ler a continuação no Jornal Correio da Manhã)

No final, o pedido de ajuda:

E-MAIL PARA A TV DE NAMPULA
Data: Quinta-feira, 30 de Junho de 2005
Para: tvmnampula@teledata.mz
Assunto: PROCURA-SE FAMILIARES
Ex.mos Senhores,Peço a vossa ajuda com o objectivo de João Sabadino Portugal, hoje com 43 anos, saber se tem família em Moçambique. Em 1968, foi adoptado por uma unidade militar portuguesa, que o trouxe para Portugal em Junho de 1969. Até ao momento, desconhecia a possibilidade de existência de familiares, devido a informações deturpadas que lhe foram transmitidas. Agora, foi confrontado com fotografias que lhe foram mostradas por um antigo militar da unidade. A sua família vivia na zona de Mocimboa da Praia e pensa-se que mais tarde se deslocaram para Porto Amélia.Agradecendo a atenção dispensada para esta acção humanitária, apresento os meus melhores cumprimentos, João Serra.

MOÇAMBIQUE - DATAS COM HISTÓRIA
- 25 de Setembro de 64 Início, em Mueda, da luta de libertação nacional.
- 25 de Abril de 74 golpe militar em Portugal abre caminho para a independência do território.
- 25 de Junho de 75 é proclamada a independência. Samora Machel torna-se no primeiro presidente do país.

Se tiver informações que possam ajudar este cidadão contacte:
João Serra, antigo fuzileiro Telemóvel: 93 51 00 952
E-mail: joaoserra@iol.pt

3 comentários:

Effe disse...

[Olà, TH]

Mocho Falante disse...

Qui está um dos muito efeitos colaterais dos conflitos armados.

Bom fim de semana

Zé Paulo disse...

Aqui está relatado uma das muitas maldades feitas numa guerra! Mascotes...como animais ou bonecos fossem!