7.1.05

Dedilhando

A dimensão universal das coisas torna-nos angustiados.
Quando saímos do nosso bairro e começamos a olhar para o mundo para além das paredes do fim da rua, verificamos que tudo se tornou gigantescamente fora do nosso controle. É então que nos sentimos impotentes para estender o braço e puxar para lugar seguro aqueles que por ventura estão à beira do abismo.
Para quem quiser e puder aventurar-se pelos meandros de outras vidas vai-se sentir pequeno e sem esperança de poder modificar seja o que seja. Há no entanto pessoas capazes de fazer a diferença, de serem um ponto de referência para uma vida inteira, são as mulheres e os homens que com o seu exemplo e os seus actos nos marcam desde logo e para sempre.
Pena é que às vezes não sejam as mais amadas e fiquem distantes dos nossos afectos.
Neste mundo já não podemos viver sós, orgulhosamente ou não, neste mundo global o nosso respirar é o sopro que mantém viva a essência de uma outra existência, dum outro respirar.
Debaixo do mesmo Sol e Lua mas não da mesma bênção!

3 comentários:

Anónimo disse...

Neste mundo já não podemos viver sós, orgulhosamente ou não
.......................................................
Debaixo do mesmo Sol e Lua mas não da mesma bênção!

Magistral..........simplesmente GRANDE!!

Consolada......passeio por aqui, em busca de alimento para a Alma e...........encontro sempre........

beijo Th

Yurei disse...

Lindo Th, adorei este post. Porque na verdade somos todos Um. No dia que toda a gente percebesse isso, este mundo mudava, com suas mil bençãos e a tolerância universal, não mais veriamos afastarem-se aqueles que admiramos e nos marcam para sempre.
Um beijinho da Yurei-san

Yurei disse...

PS. Acrescento ainda que não podemos aceitar todos. As diferenças por vezes são inconciliáveis, mas podemos demarcar-nos respeitando sempre o individuo e o seu caminho pessoal.